Dicionário de Sourcing, vai uma ajudinha aí?

Dicionário de Sourcing, vai uma ajudinha aí?

Quando comecei a trabalhar com Sourcing, me deparei com algumas palavras e termos que nunca tinha ouvido falar! Não fazia ideia do que significavam – apesar de falar inglês – e parando pra pensar, teria sido uma mão na roda ter algum lugar para consultar e não ter que ficar perguntando, por mais que você esteja alí para aprender.

Então agora que você já está por dentro do que é Sourcing, é importante também se familiarizar com alguns termos que serão muito usados nos posts que você vai ler aqui no blog. Por isso, resolvi criar o ”Dicionário de Sourcing”, que explica mastigadinho não só termos relacionados ao Sourcing em si, mas ao desenvolvimento de produto e Moda em geral. Assim, quem nunca trabalhou na área não fica mais boiando e ainda chega no emprego novo tirando onda! 😉

indice

  • Mood Board: Trata-se de um ”board” inspiracional, com as referências que você vai se inspirar para criar uma coleção. Ele pode conter fotos, pedaços de tecido, sketches, texturas e tudo mais que você considera uma inspiração para você em relação ao seu tema. É a partir dessas referências que você vai decidir uma cartela de cor, tecido e silhuetas para começar a rascunhar a sua coleção. mood-board
  • Ficha técnica: É um arquivo, geralmente desenvolvido no Corel Draw ou Illustrator e depois salvo em PDF (assim ninguém pode alterar mais as informações), contendo todos os detalhes do produto que você deseja desenvolver. Algumas informações indispensáveis são: coleção, nome/ ref da peça, modelagem e/ ou medidas a serem seguidas, desenho técnico ou foto, tamanho que a peça está sendo considerada, tecido a ser utilizado, cores, beneficiamentos, aviamentos e sua localização, tipo de acabamento, entre outros. Junto com esta ficha técnica, geralmente é enviado para o fornecedor também uma peça piloto como referência de base para o desenvolvimento. fichas-tecnicas
  • Peça piloto: É a peça que serve como base para o desenvolvimento de um novo produto. Essa peça pode servir de referência no que diz respeito à modelagem (”caixa”), tecido, acabamentos ou tudo ao mesmo tempo. É a partir dessa peça que alterações serão feitas para criar um novo produto. Por exemplo: você tem um short que veste super bem e adora a modelagem, ele pode servir de peça piloto para o desenvolvimento de um novo short, com alteração de matéria-prima, cores/ estampa, beneficiamentos, acabamentos e medidas. Voilá, um novo produto! peça piloto
  • Desenho técnico: Ao invés do envio da peça piloto também é possível construir algo do nada, para isso é necessário um desenho técnico com medidas minuciosas, todas as que você puder imaginar. Esse método pode ser mais complicado e demandar mais idas e vindas de peças para aprovação. desenho-tecnico
  • Peça lacrada: Trata-se da peça que após idas e vindas com solicitações de alteração, finalmente foi aprovada e está perfeita para ser seguida para a produção. Esta peça será usada pela fábrica como referência para desenvolver o restante da produção, então é importante que esteja 100% aprovada ou com observações sinalizando pequenos detalhes que deverão ser modificados na produção. Essa peça geralmente é de tamanho P, tamanho da modelo de prova, e deve conter um lacre com assinatura da estilista que aprovou a peça.
  • Samples/ amostras: Uma vez que o desenvolvimento foi enviado para o fornecedor, ele terá algumas semanas para confeccionar uma primeira peça a partir das instruções recebidas na ficha técnica. Essa peça é chamada de First Sample e não necessariamente precisa estar na estampa ou cor correta, mas é indispensável que esteja no tecido solicitado, caso contrário, isso pode alterar o caimento da peça. Esta peça deve ser provada na modelo de prova e caso tenha alguma alteração a ser feita, esta retorna à fábrica com as devidas marcações, junto a uma ficha técnica complementar indicando os ajustes. O número de amostras recebidas dependerá tanto da habilidade do fornecedor em seguir as instruções da ficha técnica quanto da estilista/ assistente de desenvolvimento em passar as instruções corretamente.
  • Modelo de prova: É a modelo que experimenta todas as amostras de roupas que chegam para serem provadas. As suas medidas variam de marca para marca, mas geralmente são consideradas tamanho P/ 36. É nela que os ajustes serão feitos a partir do olhar criterioso da estilista, a participação da modelo na prova de roupa é importantíssima! Somente ela pode dizer se a roupa está incomodando em alguma parte, se está desconfortável, se consegue se movimentar bem e etc. modelo de prova
  • Swatch: Pedaço/ amostra de tecido. O Swatch é enviado pelo fornecedor para a aprovação da estilista em relação a toque, gramatura, construção, qualidade do tecido e/ou estampa a partir do que foi solicitado na ficha técnica e enviado como referência.  swatches
  • Lab dip: Pedaços, geralmente pequenos, de tecido com variações de tingimento do mesmo Pantone. Geralmente 3 opções são desenvolvidas, a estilista deve escolher qual mais se aproxima do tom que deseja. Caso nenhuma das opções esteja de acordo com o solicitado, um novo teste de cor é feito. É importante que o teste seja feito no tecido aprovado pois a absorção da cor e tom final dependem muito do tipo de tecido utilizado, a aprovação de uma cor em um tecido diferente pode significar um tom discrepante no tecido final. lab dips
  • Pantone: Caderno de referência para a escolha de cores, cada tom possui um código. É a partir dessa referência que o fornecedor irá desenvolver as amostras de Lab dip e/ ou estamparia. Existem cartelas de Pantone específicas para têxteis então cuidado para não confundir e usar referência de Pantone para paredes por exemplo! 😁😫😂 pantone
  • Beneficiamento: Chama-se de beneficiamento qualquer tipo de trabalho/ intervenção feita sobre o tecido em questão. São exemplos de beneficiamentos: bordados, tingimentos, estamparia, lavagens, aplicações, laser, texturas etc.
  • Aviamentos/ Trims: Todos os acessórios que serão usados na confecção da peça: Botões, linhas, metais, fechos e adereços.
  • Acabamentos: Diz respeito à como a peça será costurada. Indicação das costuras internas, aparentes e bainhas: Overlock, costura francesa, invisível, desfiado.
  • WIP: Abreviação para Work in Progress. Trata-se de uma planilha de controle de todas as etapas do desenvolvimento de cada produto em andamento. Cada etapa tem um prazo a ser cumprido a partir do calendário de entrega dos produtos. Nesta planilha especifica-se todos os produtos e suas características bem como as aprovações e suas datas. Desta maneira é possível garantir que todos os produtos sejam aprovados à tempo e prever eventuais problemas no percurso. wip
  • MOQ: Abreviação para Minimum of Quantity. É usado para falar sobre a quantidade mínima de peças necessárias para iniciar uma produção em cada fábrica. Por exemplo: MOQ = 300 pçs. Significa que determinada fábrica necessita de um pedido mínimo de 300 pçs por modelo. Algumas fábricas irão aceitar produzir menos com a cobrança de um Surcharge.
  • Surcharge: Cobrança extra em cima do preço estipulado. Por exemplo, se uma peça custa $45 para o MOQ de 300 pçs mas você propõe produzir 150, o fornecedor pode aceitar te cobrando uma porcentagem extra que geralmente é 2x o preço FOB.
  • FOB: Abreviação para Free on Board. Esta sigla diz respeito a quem arca com as despesa de transporte da mercadoria já pronta no país de origem: cliente ou fornecedor. No caso do preço FOB, o fornecedor arca com as despesas de transporte até o navio ou avião. E o cliente com o resto das despesas a partir daí, incluindo o valor de transporte aéreo ou marítimo. Outra opção, menos usada, é o preço CIF (abreviação para Costs, Insurance and Freight) onde o fornecedor arca com todas as despesas de transportes e seguro até a chegada da mercadoria no país de destino.
  • SMS: Abreviação para Salesman Sample. Trata-se do mostruário de peças que serão expostas no showroom da marca do cliente e/ ou enviadas para os representantes. Estas peças são utilizadas para dar uma prévia da coleção para compradores de multimarcas/ atacado poderem fazer seus pedidos. É essencial que as peças estejam o mais similares possível ao que chegará na produção. Mas também é comum que uma peça ou outra ainda esteja em processo de aprovação, por isso um ”tag” com comentários de eventuais alterações é indispensável para a equipe de vendas poder informar corretamente das alterações que serão feitas, caso a peça não esteja 100% aprovada. Geralmente o preço cobrado por essas peças é de 1,5 a 2x o valor FOB acordado e o pagamento deve ser feito 100% à vista. Em média o SMS demora de 1 mês a 1 mês e meio para ser confeccionado, dependendo da quantidade de peças necessárias.
  • Bulk: Refere-se à produção. Por exemplo, bulk de 500 pçs: Significa que o pedido total de um determinado modelo é de 500 pçs, a produção total daquele modelo é de 500 pçs.
  • Grading spec: Tabela de graduação de medidas. Esta tabela é enviada pelo fornecedor para a aprovação das medidas em comparação à peça lacrada e para verificação se a graduação de cada tamanho está de acordo com as regras de graduação da marca. Esta tabela será usada pelo QC para garantir que nenhuma peça da produção esteja fora do padrão. grading-spec
  • QC: Abreviação para Quality Control, ou controle de qualidade. Esta é a última etapa do processo, em que as peças da produção são checadas de acordo com a peça lacrada e grading spec para saber se existe alguma peça fora do padrão em relação à tecido, modelagem, estamparia e etc. Às vezes um membro da equipe de Sourcing pode viajar com as peças lacradas para conferência pessoalmente, o que geralmente é feito por amostragem. Em outras ocasiões a própria fábrica ou trading possui uma equipe especializada que deve enviar um relatório ao comprador com as discrepâncias encontradas. Cabe ao comprador decidir se as discrepâncias são aceitáveis ou não para autorização do embarque.
  • Courrier: Forma de envio de pacotes por meio de transporte aéreo internacional. As empresas mais conhecidas por esse tipo de serviço são a DHL e FEDEX. É utilizado para fazer o envio de peças piloto e amostras para fornecedores de outro países, para o envio de produção (bulk) é necessário fazer uma importação formal. O preço varia de acordo com o peso e país de envio + impostos e o tempo estimado de recebimento varia de 3 até 7 dias geralmente.
  • Importação formal: Consiste no embarque de maiores quantidades (bulk por exemplo) através de despachante ou empresas especializadas. Este método requer uma série de documentos e burocracia, que você entende melhor lendo esse texto super bem explicado, além de mais impostos e taxas. No entanto desta forma é possível comercializar as mercadorias o que não é permitido legalmente através da entrada no país por courrier.
  • Invoice: Trata-se de um documento comercial emitido pelo fornecedor com a descrição dos produtos comprados, seus valores e quantidades correspondentes assim como a forma de pagamento. Como um boleto de compra. invoice
  • Balance: É o montante restante a ser pago referente à invoice de produção. Geralmente paga-se de 30 a 50% do valor total da produção no ato da colocação do pedido e o restante – balance – no momento do embarque.
  • Carta de crédito: A carta de credito é um modo de pagamento utilizada para garantir a segurança tanto do comprador quanto do fornecedor. Trata-se de um documento emitido pelo banco do comprador autorizando o pagamento de uma determinada quantia (o valor total do bulk) desde que se cumpram determinadas condições por parte do fornecedor (entrega da mercadoria).
  • Canal vermelho: Significa que sua mercadoria ficou retida na receita federal para averiguação da documentação e carga, com isso certamente a mercadoria demora mais a ser liberada gerando possíveis atrasos de entrega.
  • Fair trade: Diz respeito ao comércio justo de mercadorias entre produtores responsáveis e compradores éticos. Onde paga-se um preço justo por cada produto e garante-se que não é utilizada, por exemplo, mão de obra infantil ou escrava na confecção das peças. Desta forma o artesão/ trabalhador recebe uma remuneração compatível com o tempo gasto e matéria-prima utilizados promovendo o desenvolvimento sustentável e melhorando a qualidade de vida dos produtores. Saiba mais aquiaqui (este último em inglês).
  • Trading: São empresas que fazem a ponte entre comprador e fornecedor. A trading recebe o desenvolvimento de determinado produto e aloca, de acordo com a necessidade do cliente, nos fornecedores parceiros que melhor se encaixam no perfil de produto e quantidade a ser desenvolvida. A trading também é responsável pelo acompanhamento de desenvolvimento do produto e controle de qualidade das peças. Para isso recebe uma comissão que varia em torno dos 7%. Em alguns casos é possível que a empresa seja responsável pelo processo de importação caso seja necessário.
  • Agente: Também recebe uma comissão em torno de 7% para acompanhar o desenvolvimento dos produtos e solucionar eventuais problemas junto a uma determinada fábrica. Este trabalha por conta própria e, geralmente, é a pessoa que apresentou o fornecedor ao comprador.

Ainda ficou alguma dúvida? Me escreve, que se estiver ao meu alcance eu respondo! amanda@thatsourcinggirl.com 😉😘

Dicionário de Sourcing, vai uma ajudinha aí?
Tagged on:             
RSS
Facebook
Share with Google
http://thatsourcinggirl.com/dicionario-de-sourcing/">
Twit about this
Pinterest
Instagram
%d blogueiros gostam disto: